domingo, 18 de novembro de 2018

Os indícios que levaram à detenção de Bruno de Carvalho e Mustafá


A revista Sábado desta semana apresentou uma matéria sobre os indícios que fundamentaram o pedido de prisão preventiva de Bruno de Carvalho e Mustafá. 

Através do despacho de 38 páginas assinado pela procuradora Cândida Vilar a que a Sábado teve acesso, os jornalistas concluíram que a fundamentação para a detenção e para o pedido de prisão preventiva de BdC e Mustafá foi feito sobretudo com base em três testemunhos de alegados membros "arrependidos" da Juve Leo: Nuno Torres, conhecido por conduzir o famoso BMW azul, Filipe Correia Alegria e Guilherme Gata de Sousa.

Antes de fazer a minha análise deixo os prints da revista (aqui), (aqui) e (aqui).para que os leitores possam tirar as suas próprias conclusões.

Os três testemunhos


Nuno Torres esclareceu que participou na coreografia em que foram lançadas tochas na direcção da baliza de Rui Patrício no derby com o Benfica. Disse também que a entrada de tochas no Estádio foi feita com autorização de Bruno de Carvalho e concluiu dizendo que viu Bruno de Carvalho a falar com Mustafá e que estava convicto de essa conversa tinha sido para ambos acertarem a coreografia. 

Filipe Correia Alegria esclareceu que o ataque a coreografia foi combinada num grupo de Whatsapp e que foi Mustafá quem deu a ordem para o lançamento das tochas numa reunião na véspera do jogo. Acrescentou que com base na sua experiência no seio da claque que o lançamento de tochas nunca poderia ter acontecido sem autorização de Mustafá e Bruno de Carvalho. Segundo a revista Sábado, o depoimento de Guilherme Gata de Sousa vai no mesmo sentido do depoimento de Filipe Correia Alegria. 

Os outros indícios


No despacho são apresentados outros indícios que o MP considerou como sendo relevantes. É referida uma reunião três dias antes do ataque à Academia, onde o MP diz que Bruno de Carvalho disse às claques para darem um aperto aos jogadores. Ora, três dias antes do ataque na Academia, situa-nos na véspera do jogo com o Marítimo. Acreditando que seja verdade eu pergunto: que sentido teria Bruno de Carvalho mandar dar um aperto nos jogadores quando a decisão do 2º lugar iria ocorrrer no dia seguinte e dependia apenas única e exclusivamente do Sporting. A não ser que Bruno de Carvalho já soubesse que o Sporting não iria ganhar o jogo. 

O episódio das tochas


Ora, em relação aos testemunhos dos tais três "arrependidos" não há qualquer relato sobre os acontecimentos de Alcochete. Os três limitam-se a falar sobre o episódio das tochas em Alvalade. De seguida fica o vídeo da coreografia da Juve Leo. Façam o favor de ver a analisar os comportamentos. 


Como podem verificar, o semblante de Bruno de Carvalho é de total reprovação pelo sucedido. Aliás, Bruno de Carvalho parece ser o único a mostrar desagrado pelos acontecimentos (01:19m). Reparem como outros agentes desportivos apanhados nas imagens da Sporttv mostram total descontracção e até sorriem perante o sucedido. Falo de Rui Vitória (01:03m), Frederico Varandas (00:37m) e até do próprio Rui Patrício (00:50m).

Mas mais relevante do que o vídeo é utilizarmos a cabeça para pensarmos numa coisa muito simples: Que interesse teria Bruno de Carvalho ou a Juve Leo em atingirem o guarda-redes do Sporting no início de um derby que poderia garantir o 2º lugar no campeonato e consequente acesso à Liga dos Campeões? Qual era a ideia? Magoar o Rui Patrício para entrar o Salin para a baliza? 

Obviamente, esta teoria só cabe na cabeça de alguns iluminados. 

Por aqui se vê que os indícios apresentados no despacho do MP nunca poderiam ser aceites pelo juiz que decidiu então libertar Bruno de Carvalho e Mustafá. 

No vídeo seguinte, retirado do SOS24 de sexta-feira, Rui Pedro Braz faz já a análise em função da acusação que foi entretanto deduzida. Acusação que é sempre mais especifica do que a indiciação.  


Rui Pedro Braz será provavelmente o comentador que mais tem criticado Bruno de Carvalho ao longo dos últimos anos. E até ele não consegue esconder aquilo que vai já sendo óbvio para todos. 


Podem seguir o blog nas redes sociais nos links seguintes:
Facebook: (aqui)  Twitter: (aquiInstagram: (aqui)

23 comentários:

  1. O caso do MP é realmente muito fraco, no entanto o prejuizo já está feito, o Sporting agoniou durante muito tempo enquanto BdC cometia erros em catadupa após o ataque a Alcochete, colocou o clube à mercê dos seus inimigos pessoais e essencialmente dos inimigos externos que não hesitaram em afundar o Sporting, julgo que provavelmente será absolvido de grande parte dos crimes de que é acusado mas não sem que antes o caso continue a fazer parangonas e causar prejuizos reputacionais ao Sporting. Por outro lado julgo que o a nova direcção terá procurar uma via judicial para mitigar os danos reputacionais, procurando indemnizações contra comentadores e CS que abusivamente arrastaram o nome pela lama, sei que não seria fácil ou exequível vencer esses casos mas seria pelo menos catártico para os sportinguistas saber que se fez tudo para não deixar impune quem tanto prejudicou o Sporting.
    Falta também uma posição mais forte em relação à Juve Leo, ao longo dos anos têem se imiscuído no trabalho das direcções usando da força e do medo, Alcochete foi a gota de agua, tem de ser penalizados e remetidos ao seu lugar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem toda a razão. Só que tenho muitas dúvidas que a actual direcção do Sporting faça frente aqueles que os ajudaram a ser direcção. Varandas está já a provar do próprio veneno. Veja-se as últimas declarações.

      Eliminar
    2. Pois é, as pessoas esquecem-se depressa!
      Vou dizer então quais foram os erros, em catadupa, que o Presidente Bruno de Carvalho cometeu no tempo que devolveu ao Sporting, a honra e o orgulho;
      - Voltou a garra em ser Sporting.
      - Devolveu a esperança e a emoção.
      - Fez o canal oficial do Clube.
      - Valorizou sobremaneira os ativos do Clube, tornando rentáveis as cláusulas dos jogadores.
      - Fez um magnifico pavilhão, pois não somos o clube dos pobres resignados.
      - Repôs o hóquei em patins ao mais alto nível.
      - Voltaram as glórias, em catadupa, nas modalidades de prestigio.
      - Criou eventos internacionais, divulgando a marca Sporting.
      - Aumentou, em mais de 50%, o numero de associados.
      - Defendeu intransigentemente os interesses do Sporting, comportando-se como um Leão feroz.
      - Colocou os rivais em sentido, e fez estremecer o sistema viciado do desporto em Portugal.
      Um Homem assim não pode permanecer, tal é bagunça na cabeça dos pobres em espirito.

      Eliminar
    3. Granda Romão.... nem todos comem merda às pazadas como aqui o funchaleiro, ou será antes o famoso lampião da Madeira?

      Eliminar
    4. bruno de carvalho fez um grandioso trabalho no Sporting clube de Portigal nao haja duvidas nenhumas mas desde o jogo de madrid da madeira e perder a taca para p enorme clube chaves aqui ele proprio se suissidou

      Eliminar
  2. opá alguém pode explicar sff qual o objectivo da "coreografia" das tochas? obrigado (sim, sou burro e não entendi nada)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim ficou claro que o alvo era o Patrício. E duvido que o BdC tivesse ordenado tal coisa ou sequer estivesse a par que tal iria acontecer.

      Eliminar
    2. Mas quais alvo, caramba? A Juve Leo até já sabia que face da moeda seria escolhida e que o Patrício iria iniciar o jogo daquele lado. Plamordassanta! Não caiam na narrativa dos cms desta vida. Chiça!

      Eliminar
    3. Durante o jogo, ou melhor, durante o restante período de jogo, quando Rui Patrício defendeu remates perigosos, que me lembro, 2 ou 3 ainda na 1ª parte, ouviu-se ou não a mesma claque que atirou os foguetes gritar o que habitualmente gritava???? Ruuuuuuui. Então alguém que antes queria ferir em varias partes do corpo, conforme diz a pateta da procuradora, a seguir aplaudia? Cabe nalguma cabeça, mesmo com o cérebro do tamanho de uma ervilha que os adeptos quisessem atingir Rui Patricio, o melhor guarda redes do plantel que, devido a sua competência poderia levar o Sporting ao 2º lugar ou, acrescento eu a valer uns valentes milhões ao clube, em caso de venda?

      Eliminar
    4. As tochas representavam o ataque as toupeiras...

      Eliminar
  3. Os comentários de Rui Pedro Braz não são inocentes. Quem está há meses sempre a malhar no Sporting e em BdC não pode vir agora com lágrimas de crocodilo. Estão a tentar descredibilizar o MP e usando, mais uma vez, o Sporting como bode expiatório. Creio que veremos nos próximos tempos uma narrativa de descredibilizar o MP e, por conseguinte, fazer com que outros processos usem essa descredibilização como alavancagem para que esses mesmo processos não passem da fase de instrução. Esta detenção é mera fantochada para não se falar de certos e determinados casos e também, como disse e repito, descredibilizaro MP. Todos os casos que têm feito correr alguma tinta na CS vão cair por terra, esse sim será o maior escândalo.

    ResponderEliminar
  4. Mister ainda sobre o episódio das tochas, existem videos que se vê no final do jogo o patrício a fazer o "haka" em frente a claque...
    Alguém acredita que se ele se sentisse atingido pelas tochas que iria celebrar no fi al do jogo junto de quem as atirou?!

    Basta comparar com a atitude dele na madeira para se ver a diferença.

    ResponderEliminar
  5. Este processo e parecido a casa Pia ! E a judiciaria conjuntamente com o MP que manipula as testemunhas para orientar o processo e fazer os danos que pretendem nas pessoas que pretendem !
    Justiça a portuguesa

    ResponderEliminar
  6. Caro Mister, proponho-lhe a desmontagem desta acusação contra BdC de alto a baixo, linha a linha, com as nossas provas em contrário (documentos, vídeos, declarações, etc) aqui. Desmontagem 1 desmontagem 2 etc. Como já aqui se viu, esta história das tochas é facil, por varias coisas já aqui ditas. O filme do jogo que mostra o grito Ruuuui nas defesas, o haka, a questão de ser impensável lesionar o nosso melhor guarda redes para atingir o 2º lugar e, não fazer qualquer sentido a JL querer lesionar um dos nossos. Esta pateta tem que ser desmontada. A não ser que, como se diz atrás e eu acredito, isto faça parte da descredibilização do MP, tal como o cashball que vai ser zero, para que os processos das toupeiras também caiam.

    ResponderEliminar

  7. "Que interesse teria Bruno de Carvalho ou a Juve Leo em atingirem o guarda-redes do Sporting no início de um derby que poderia garantir o 2º lugar no campeonato e consequente acesso à Liga dos Campeões? Qual era a ideia? Magoar o Rui Patrício para entrar o Salin para a baliza?"

    Pois... e então qual o interessse em invadirem a Academia em vésperas de um jogo da final da Taça para atacarem, precisamente, Rui Patricio? Qual era a ideia?

    Portanto, não há justificação nenhuma plausivel para a Juve Leo querer atingir Rui Patricio quando arremessou as tochas.... mas 15 dias depois, em vésperas de um jogo igualmente importante (final da taça), invadem a Academia para agredir os jogadores com cintos e tochas, nomeadamente o Rui Patricio.

    Há aqui qualquer coisa nessa linha de racicionio que não está bem.

    Visto que sou dos croquetes, viscondes, burros que papa tudo o que a CM diz etc etc etc se puderem elucidar-me, agradecia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No início do dérbi, ainda estavas a disputar o segundo lugar, contra o Marítimo, perdeste-o de vez. Rui Patrício virou as costas à claque. Isto não pode ser só ir lá fazer hakas de contentamento. Também tem de se dar a cara nas derrotas e enfrentar a insatisfação dos adeptos. Estava tudo de cabeça perdida. No aeroporto, no ataque à academia. Não se misturem alhos com bugalhos. Parem de alinhar na narrativa que só pretende prejudicar o Sporting!

      Eliminar
    2. Ana, leia bem o ultimo paragrafo do Mecas até aos etecetras e veja que ele diz tudo sobre quem é...

      Está bem escarrapachado - a disputar o 2ª lugar e tudo do que daí resultava, + de 20 milhões de participação e mais, pelo menos, outra meia dúzia de milhões pelos resultados, não contando com o prestigio, a valorização dos jogadores, as receitas de televisão e de bilheteira, enfim...

      Eliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  9. Histórico de "linchamento" público da C.S. sobre BdC: caso cuspidela e agora caso Alcochete. Se acusam o destituído de ser o autor moral de Alcochete então quem será o autor moral de outros casos?

    Eu sei que é triste para alguns verem o slb a ser eliminado duma competição europeia pelo scp (futsal).
    Eu sei que é triste para aqueles que queriam meter à força BdC em prisão preventiva, a sair em liberdade.
    Eu sei que é triste para alguns não sair acusação no caso cashbal (não terá sido uma denúncia caluniosa? Foi no mesmo timing que aconteceu o ataque em Alcochete)

    ResponderEliminar
  10. http://comquemsporting.blogspot.com/2018/11/argumentos.html

    A insolvência da treta
    Os desvios da treta
    As suspeitas da treta

    Tudo serviu para minar a imagem da presidência do destituído.
    A Sporting TV vai divulgar estas notícias?

    ResponderEliminar
  11. A teoria de que terão sido dado ordens para deixar passar os atacantes

    - se num dia normal de funcionamento o portão estaria aberto àquela hora para entrada de jornalistas, jogadores e técnicos faz sentido a tese de que foi aberto o portão para deixar passar os atacantes?

    - mesmo que tivessem sido tomadas medidas preventivas no momento do ataque, os meios disponíveis (1 segurança no portão e 1 segurança no balneário) eram insuficientes para travar o número de atacantes. O segurança que estaria no portão era impotente para travar um grupo de 40 indivíduos. Mesmo que o obstáculo estivesse fechado, devido à sua altura, com menor ou maior dificuldade, seria possível ultrapassá-lo. O segurança que estava à porta do balneário também foi impotente, sendo mesmo empurrado pelos atacantes.

    Concluindo: a única forma de assegurar a segurança do recinto perante aquele ataque seria imaginar que aquilo pudesse um dia acontecer, coisa que ninguém previu. Se alguém pudesse adivinhar aquilo então só com uma equipa bem apetrechada munida de metrelhadoras conseguiria travar o grupo de atacantes.

    ResponderEliminar
  12. artigo MST

    A relação entre os casos de Sócrates e de BdC

    "Escrevi as vezes que entendi necessárias sobre a investigação do caso Sócrates e os atropelos que, no meu entender, ela cometeu sobre direitos e garantias processuais de quem é investigado em processo-crime. Em nenhum momento o que escrvi - e frisei-o sempre - implicava qualquer juízo de valor sobre a culpabilidade ou inocência dos acusados (para o que me faltavam, e continuam a faltar ainda, elementos de conhecimento determinantes), mas apenas sobre aquilo que é essencial garantir num Estado de direito. Tal, porém, não evitou que para alguns Torquemadas de trazer por casa, eu fosse imediatamente classificado numa lista de "amigos de Sócrates" - logo completada pelo habitual rol de calúnias e ofensas nessas escolas de crime impune que são as redes sociais. Pois bem, volto ao assunto para dizer que as circunstâncias em que, mais uma vez, o Ministério Público, com o aval de um juíz de Instrução, procedeu à detenção prévia para interrogatório de BdC e do chefe da claque Juve Leo é inadmissível, intolerável e um espectáculo degradante para a nossa Justiça. Independentemente da questão de fundo que está em investigação, que é séria e suficientemente grave para ser levada até onde for necessário. Mas que alguém possa estar quatro dias e quatro noites preso numa esquadra de polícia (e sem condições de detenção sequer aceitáveis) à espera que um juíz tenha tempo para o ouvir - e até à espera que tenha fim uma greve de funcionários de Justiça - é de um abuso e de um arbítrio que os magistrados verdadeiramente só entenderiam no dia que lhes coubesse o mesmo em sorte. O que, como é óbvio, jamais acontecerá. A figura da "detenção prévia" para interrogatório não existe na lei; existe sim, a convocatória e só se alguém se furtar a ela é que o juíz pode determinar a sua detenção para vir a interrogatório (BdC ofereceu-se para se interrogado inclusivé). Agora, isto que vemos é uma invenção, sem cabimento legal e, sobretudo, sem cabimento num sistema penal civilizado. Da mesma forma que é inaceitável que onde a lei diz que um detido deve ser presente em 48 horas a um juíz para que a sua detenção seja ou não validade, essa validação não pode ser substituída pela simples identificação do detido pelo juíz (para se certificar que não prenderam a pessoa errada?), após o que o mesmo regressa à cela, continuando à espera que o juíz tenha uma aberta na agenda para o ouvir. É que além de ilegal e abusiva, esta espécie de pré-prisão preventiva tem tendência a acarretar uma consequência posterior: que é a de o juíz se ver tentado a decretar a prisão preventiva como forma de justificar a posteriori os dias que o suspeito já passou na prisão à espera de ser ouvido - muito embora não tenha sido esse o desfecho aqui. Estamos no terreno dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos face ao poder penal do Estado. É aqui que o grau de saúde democrática de um país se começa a conhecer. Mas há sempre razões muito ponderosas e necessidades de investigação muito atendíveis para ir facilitando. E, de facilidade em facilidade, vamo-nos habituando a ver como normal o que é inaceitável."

    Penso que a procuradora e juíz de instrução cometeram um erro, que ainda pretendia prisão preventiva sem provas, isto já para não falar no uso do conceito de terrorismo na acusação. BdC deveria ter sido notificado para interrogatório. A substituição da notificação pela detenção é ilícita.

    https://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/procuradora-candida-vilar-alvo-de-inquerito-disciplinar-no-caso-dos-comandos

    - no tempo do salazarismo a PIDE prendia para investigar aqueles que eram contra o regime
    - num estado de direito prende-se depois de investigado, uma coisa diferente

    ResponderEliminar