terça-feira, 21 de maio de 2019

Uma visão histórica do título europeu


O Sporting é campeão da Europa de Hóquei em Patins. Quarenta e dois anos depois, os nossos rapazes repetiram o feito do "dream team" composto por Ramalhete, Júlio Rendeiro, Sobrinho, Chana e do melhor jogador português de todos os tempo, António Livramento. Mas para regressarmos ao topo da Europa foi necessário percorrer um longo e triste caminho. Um percurso que é fundamental recordar na hora da vitória. 

Honra à equipa maravilha



A conquista desta Liga Europeia tem na sua génese o título conquistado em 1977. Foram estes homens e a história que escreveram no Sporting que serviu de fundação e de inspiração para a conquista. Honra a todos estes heróis. 

O projecto Roquette


Para os mais jovens e para os mais esquecidos, importa recordar que o Sporting fechou a secção de hóquei em patins em 1995, pelas mãos do Presidente Santana Lopes. Estava dado o pontapé de saída no chamado "projecto Roquette", personagem que por essa altura entrou para a Presidência do então Conselho Fiscal. 
"O Sporting não pode andar nestas andanças, e teremos que adequar as modalidades ao que se passa nos outros clubes europeus, que se traduz na redução das modalidades de alta competição para duas ou três, mais o futebol, e o resto dedicar-se-á ao trabalho de formação e iniciação." Pedro Santana Lopes 30-05-1995
A 12 de Junho desse ano foi anunciado o fecho da secção de hóquei em patins e de voleibol. Foi também decidida a realização de um referendo aos sócios para que estes decidissem entre o fecho do andebol ou do basquetebol. É bom que os Sportinguistas saibam que os directores destas secções andaram em campanha eleitoral a defender a sua modalidade entre os sócios. Um enxovalho publico ao nome do Sporting que culminou com o fecho do Basquetebol e a manutenção do Andebol. 

Referendo aos sócios do Sporting
Importa também recordar que por esta altura o hóquei em patins era a segunda modalidade do Sporting com mais títulos internacionais no seu palmarés. Dos 20 títulos conquistados até então, 14 eram de Atletismo, 5 de hóquei em patins e um de futebol.

A primeira secção autónoma (1999-2005)


Em 1999/2000 pela mão de 14 sócios do Sporting, o hóquei em patins do Sporting foi constituído como secção autónoma do clube. Nessa época disputamos e vencemos a terceira divisão. Nas três épocas seguintes o Sporting lutou pela subida à primeira divisão, mas só à quarta tentativa foi possível, com a conquista do campeonato nacional da 2ª divisão.

Em 2004/2005, época de regresso à primeira divisão, os Sportinguistas foram brindados por outra "originalidade" dos dirigentes de punho rendado. Sporting terminou a primeira fase em 9º lugar em 14 equipas e tinha de disputar a segunda fase de apuramento das equipas de lutavam para não descer. A meio dessa segunda fase do campeonato, o Conselho Directivo anunciou a desistência do campeonato e o fim do projecto, por dificuldades financeiras da secção autónoma. Este foi apenas mais uma acto brilhante de gestão por parte do senhor Dias da Cunha, o mesmo artista que construiu um estádio cujo custo final teve uma derrapagem de cerca de 80 milhões de euros. Coisa pouca, numa obra orçada em 100 milhões e que acabou num incríveis 180 milhões de euros, sendo o estádio mais caro do país.

Enquanto tudo isto acontecia, os Sportinguistas batiam palmas e teciam loas a estes génios da finança e do tal "saber estar". Mas enfim, foi o Sporting que os Sportinguistas quiseram.

A segunda secção autónoma


Desta desistência nasceu nova secção autónoma, então designada por "Associação de patinagem do Sporting Clube de Portugal". A associação foi criada pelo Eng. Gilberto Borges em 2005 e contou apenas com a permissão do Sporting para a utilização do nome e do símbolo do clube. O projecto inicial dava sequência à formação que vinha da anterior secção autónoma, sendo que neste projecto havia claramente o sonho de voltar a ter equipa sénior. 

Cinco anos depois, a equipa sénior estava de regresso. Na época de 2010/2011 conquistamos o título da terceira divisão nacional. Na época seguinte (11/12), novo título nacional da segunda divisão e estávamos de regresso à elite nacional. Nestas equipas que subiram da terceira para a primeira divisão pontificavam três meninos bem conhecidos do grande público. O nosso guardião Zé Diogo, André Pimenta ,que viria a fazer parte da equipa que venceu a Taça CERS em 2015 e Gonçalo Alves, craque que joga no FC Porto e na selecção nacional.

Gonçalo Alves ao serviço do Sporting

Gonçalo Alves que há muito era cobiçado por clubes de topo nacional e internacional, mas que teve sempre um comprometimento fantástico com o Sporting, cumprindo a promessa de ficar no clube até conseguir a promoção à primeira divisão. Mal esse objectivo foi cumprido, saiu do Sporting e foi para a Oliveirense.

Na primeira divisão sem apoio do Sporting


Em 2012/2013 a contratação mais sonante foi a de Ricardo Figueira, que regressou à modalidade depois de dois anos de paragem para se dedicar à medicina. Nesta primeira época na elite do hóquei nacional, o objectivo passava pela manutenção, que só foi conseguida na última jornada, num jogo épico que terminou com um empate a 6 bolas, precisamente contra a Oliveirense de Gonçalo Alves. Podem ver um pouco desse jogo e os festejos da equipa (aqui).

Em Março de 2013, Bruno de Carvalho tornou-se presidente do Sporting e face à grave situação financeira do Sporting não foi possível fazer regressar de imediato a modalidade ao seio do clube. Na época seguinte, 2013/2014, conseguimos a qualificação para a Taça CERS sob a liderança do capitão Ricardo Figueira. No banco da equipa destaque para a entrada de Nuno Lopes como treinador em Fevereiro de 2014.

Regresso anunciado no Congresso Leonino de 2014


Para quem não sabe, muito antes de ser presidente do Sporting, Bruno de Carvalho esteve ligado à "Associação de Patinagem do Sporting CP". De 2006 a 2009 como patrocinador e de 2009 a 2011 como vice-presidente da associação. Foi por isso com naturalidade que a modalidade regressou ao clube assim que a situação financeira ficou estabilizada.


A 8 de Junho de 2014, no discurso de encerramento do IX Congresso Leonino, Bruno de Carvalho anunciou aos Sportinguistas o regresso da modalidade ao seio do clube 
"É com orgulho, honra e esperança que todos os sportinguistas continuem a abraçar o sue clube, que anunciamos que o hóquei em patins sénior passou a ser modalidade oficial do clube" Bruno de Carvalho 8/06/2014
Nessa declaração foram logo anunciados 4 reforços para a época 2014/2015: Ângelo Girão, João Pinto, Poka e Nico Fernandez. 

2014/2015 - A conquista da Taça CERS



Para além destes quatro reforços anunciados de imediato por Bruno de Carvalho, entraram ainda no plantel Tiago Losna e Carlitos. O Sporting fez um campeonato tranquilo e lutou até à última jornada pelo 4ºlugar que daria a qualificação para a Liga Europeia. Acabamos no 5º lugar, atrás de Porto, Benfica, Oliveirense e Valongo. Fomos também à final da Taça de Portugal que perdemos contra o Benfica, num jogo que foi um verdadeiro assalto armado.

A grande alegria da época surgiu a 26 de Abril de 2015, com a conquista da Taça CERS. Nos últimos 20 anos antes desta conquista o Sporting tinha apenas vencido dois títulos internacionais: Taça Campeões Europeus de Pista em 2000 e a Taça Challenge de Andebol em 2010. 

2015/2016 - A conquista da Supertaça e a qualificação para a Liga Europeia


Link da notícia (aqui)

Para esta época entraram 4 novos jogadores: Tuco, Cacau, André Centeno e Luís "Zorro" Viana, veterano que tinha sido o melhor marcador do campeonato anterior. Saíram Nico Fernandez, Carlitos, André Pimenta e André Moreira.

A época começou bem para o Sporting com a vitória na Supertaça frente ao Benfica (2x João Pinto, Centeno e Luís Viana) e com a vitória por 2-0 (Cacau e Tuco) na primeira mão da Supertaça Europeia em casa frente ao Barcelona. Na segunda mão, derrota por 5-1 em Espanha ficando o título europeu para os catalães. Na Taça CERS, quando se esperava que fosse possível revalidar o título, ficamos pelo caminho nas meias-finais frente ao Vilafranca.

No campeonato, 4º lugar a 20 pontos do campeão Benfica e a qualificação para a Liga Europeia da época seguinte.

2016/2017 - A primeira época a jogar para os primeiros lugares



Para esta época o Sporting apresentou-se como outros argumentos para lutar pelos primeiros lugares. Saíram Cacau, Luís Viana, Ricardo Figueira e Tiago Losna e entraram Sergi Miras, Caio, Ferran Font, Pedro Gil, Gonçalo Nunes. Henrique Magalhães e Gonçalo Nunes foram contratados mas emprestados nesta época.

Foi contratado Guillem Perez para treinador e Nuno Lopes passou a ser coordenador de toda a formação assim como líder da equipa B. A meio da época anterior já tinha sido feito uma alteração na estrutura com a contratação de José Trindade para coordenador geral da modalidade.

A realidade é que as coisas correram muito mal durante a época, sendo o caso da perda dos 3 pontos na secretaria pelo caso Zé Diogo, o mais sintomático. A meio da época, José Trindade e Guillem Perez saíram do Sporting e entrou para o comando técnico Paulo Freitas. 

2017/2018 - Campeões nacionais



No defeso foram dispensados Poka, Sergi Miras, Tuco e André Centeno. Entraram Henrique Magalhães, Toni Pérez, Vítor Hugo e Matias Platero. Com cara lavada, com novo técnico e sobretudo em casa nova, o Sporting tinha todas as condições para lutar finalmente pelo título nacional. Mas, do ter condições para lutar até ganhar vai uma grande distância, até porque os outros três rivais tinham grandes equipas e projectos consolidados de muitos anos.

Neste sentido é importante salientar que o Sporting não era favorito à conquista do título e que há muito mérito de toda a estrutura do Sporting, principalmente do seu treinador Paulo Freitas, que conseguiu montar uma equipa de guerreiros em que o "nós" se superou ao "eu" durante toda a época. A grande força do Sporting foi a raça e a entrega mostrada durante toda a época com os capitães Girão e João Pinto a darem o exemplo.

Em termos europeus, caímos nas meias-finais frente ao Porto no Dragão Caixa. Foi o primeiro grande ensaio para o título que chegou este ano.

Mais dois títulos internacionais na mira e a Taça de Portugal


Com a conquista da Liga Europeia, o Sporting aponta agora a mais dois títulos internacionais. A Taça Continental - que para os menos familiarizados com a modalidade é uma espécie de Supertaça europeia que desde 2017 passou a ser disputada em final 4 entre os finalistas da Liga Europeia e os finalistas da Taça CERS - e a Taça Intercontinental, a disputar entre os melhores da Europa e os melhores da América do Sul.

Relativamente à Taça Continental será a 5 presença do Sporting na final, depois já termos perdido 4 finais. Em 1981, 1985 e 2015 para o Barcelona e em 1991 para o Óquei de Barcelos. Desta feita jogaremos contra o Lleida, Sarzana e Porto. Relativamente à Taça Intecontinental, será a primeira participação do Sporting na competição.

No que diz respeito ao campeonato, as contas estão fechadas e o Porto será o novo campeão nacional. Resta saber se o Sporting será 2º ou 3º classificado. A época acaba com a Final 4 da Taça de Portugal que o Sporting disputará contra Benfica, Oliveirense e Riba D´Ave. Em caso de vitória, teremos que adicionar às contas da próxima época mais uma Supertaça.

Quanto ao futuro, o que os Sportinguistas querem é simples: continuar a ganhar. Ganhar a Taça de Portugal desta época. Começar a próxima época com a Taça Continental e com a Supertaça nacional. Fazer história e ganhar a Taça Intercontinental, reconquistar o campeonato e revalidar a Taça de Portugal.

Pra cima deles!

Podem seguir o blog nas redes sociais nos links seguintes:
Facebook: (aqui)  Twitter: (aquiInstagram: (aqui)

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Negócio Gelson: Uma aldrabice


O Sporting anunciou ontem um acordo com o Atlético de Madrid no diferendo que opunha os dois clubes relativamente ao jogador Gelson Martins. Vamos lá analisar toda esta matéria.

A proposta rejeitada por Sousa Cintra


Antes de analisar os termos do negócio é importante recordar a proposta que foi rejeitada por Sousa Cintra.

Link da notícia (aqui)
Em Julho de 2018, Sousa Cintra rejeitou uma proposta de 22M fixos, mais 10M por objectivos, dos quais 5M era "fáceis" de atingir em troca de 60 ou 70% do passe do jogador. Portanto, estamos aqui a falar de 27M ficando ainda o Sporting com 30% ou 40% do passe do jogador. 

A "chapa 15M" de Jorge Mendes


Vejamos agora o comunicado do Sporting enviado à CMVM.


Em traços gerais o Sporting recebe 22,5 milhões de euros do Atlético por Gelson Martins, mas ao mesmo tempo compra 50% do passe de Luciano Vietto por 7,5 milhões de euros. Ou seja, Gelson Martins rende ao Sporting 15 Milhões de euros e 50% do passe de Vietto.

Durante os últimos anos os Sportinguistas gozaram com os rivais pelas negociatas com "chapa 15". Agora levamos nós com elas. Deve ser esta a tal coragem do Presidente Varandas em defender os interesses do Sporting...

O valor de mercado de Gelson Martins


Para efeitos de indemnização no caso das rescisões, o valor que conta é o valor de mercado à data da rescisão de contrato, sendo que o que acontece com a carreira do jogador depois disso não interessa para estas contas. Ora, consultando o portal Transfermarket verificamos que o jogador em Junho de 2018 estava avaliado em 35 milhões de euros.


Como sabemos, os valores do Transfermarkt são até normalmente nivelados por baixo para estes jogadores com muito mercado. Por exemplo, neste momento Bruno Fernandes está avaliado pelo mesmo portal em 35M. 

Visto o valor de Gelson, avanço para o actual valor de mercado de Vietto, segundo o transfermarkt. Como podem verificar, o atleta está avaliado em 6 milhões de euros. 


Ou seja...


Bem sei que os valores do Transfermarkt não são uma verdade absoluta, mas são indicativos. Tendo em conta estes dados, Gelson Martins foi vendido por 15M + metade do passe de Vietto. Ora, para chegarmos aos tais 35M do Transfermarkt, Vietto tinha de ser um jogador valorizado em 40 milhões de euros (15M+0,5x40). 

A realidade é que Vietto foi valorizado em 15 milhões de euros neste negócio, quando o mesmo portal diz que o atleta vale apenas 6 milhões de euros. Ou seja, a direcção do Sporting desvalorizou Gelson Martins e valorizou o Vietto. Para fechar este ponto, faço um exercício tendo por base o mesmo negócio mas com a valorização dada pelo Transfermarkt. Se assim fosse o Sporting receberia 35M pelo Gelson e pagaria 3M pelos 50% do passe do Vietto. Resumindo, receberíamos 32M + 50% passe de Vietto. A realidade é que recebemos apenas 15M e os tais 50% do passe do Vietto. Uma diferença de 17M de euros. Coisa pouca...

Luciano Vietto - A contratação mais valorizada da história do Sporting


Para que não percebeu, Luciano Vietto foi valorizado em 15 milhões de euros. É a contratação mais valorizada da história do Sporting (15M). Se falarmos em montante pago, é o 5º maior investimento da história do Sporting depois de Bas Dost, Bruno Fernandes, Marcos Acuna e Elias. Este é o 3º negócio com o Atlético de Madrid que entra para o Top-10 de compras do Sporting, depois de Elias e Sinama-Pongolle. Só nestes 3 meninos o Sporting deixou nos cofres do Atlético de Madrid quase 23 milhões de euros. Por outro lado, o Sporting vendeu em tempos Emiliano Insua por uns míseros 3M aos colchoneros. Sempre com a preciosa ajuda de Jorge Mendes, o "salvador" do Sporting.

Voltamos aos tempos das "percentagens de passes"


Comunicado Sporting CMVM (aqui)

Depois dos 60% de Tiago Ilori (2,4M), dos 80% de Borja (4,155M), dos 50% de Matheus Nunes (500mil euros) e dos 50% de Gonzalo Plata (1,479M), eis que temos mais um jogador com uma chapa de 50% do passe. Dos 7 jogadores contratados por Frederico Varandas, apenas 2 foram pela totalidade do passe (Luiz Phellype e Doumbia). Em termos globais estes 7 jogadores custaram aos cofres do Sporting cerca de 22,5 milhões de euros. Precisamente o tal valor tabelado pelo Gelson.

Uma jogada contabilística


O facto de esta negociação ter sido concluída em dois negócios separados (venda do Gelson e compra do Vietto) permite ao Sporting usar uma jogada contabilística feita recorrentemente pelos clubes do carrossel de Jorge Mendes.

Ora, os 22,5M da venda de Gelson entram directamente no apuramento do Resultado líquido do exercício de 2018/2019, facto que fará com que previsivelmente a SAD tenha lucros. Já os 7,5M da compra do Vietto entram nas contas na rúbrica de fornecedores e terão impacto nas amortizações a 5 anos, que é o espaço temporal do contrato do jogador. Ou seja, estes 7,5M serão diluídos ao longo de 5 anos (1,5M época).

No comunicado do Sporting há uma passagem "deliciosa" que refere que o Atlético "comprometeu-se a pagar". Ou seja, se se comprometeu a pagar é porque não pagou de imediato os 22,5M. Assim sendo o montante será contabilizados na rúbrica de clientes de conta corrente. E este é o segundo passo do carrossel de Jorge Mendes. O saldo fica em conta corrente até que se arranje novo negócio entre as partes para abater estes montantes. Que é como quem diz que "qualquer dia compramos os restantes 50% do Vietto"...

E as comissões e a tal cláusula de renovação!?


Por saber ficam os montantes das comissões a pagar aos intermediários nestas negociatas. Talvez um dia se venha a saber esse valor.

Por saber também está a questão relacionada com a renovação automática efectuada pelo Sporting para compensar o jogador e convence-lo a não sair do clube no verão passado. Uma renovação que segundo a imprensa fez com que a cláusula de rescisão passasse de 60 para 100 milhões de euros, assim como significou um aumento salarial na ordem dos 400 mil euros brutos anuais (passou de 1,8 M€ para 2,2 M€, com direito a retroativos da temporada 17/18). Adicionalmente o jogador teria de receber mais 1,5 milhões de euros como prémio de assinatura. Continuo a aguardar (sentado) pela marcação de uma Assembleia Geral da SAD e do clube para serem dados esclarecimentos aos sócios e accionistas sobre estas e outras matérias.

Um salário milionário



Luciano Vietto tinha ainda mais dois anos de contrato com o Atlético de Madrid onde auferia a módica quantia de 2,1 milhões de euros limpos por época. Ora, para o jogador manter esse montante líquido em Portugal, o Sporting terá de desembolsar mais de 4M por época. Portanto, 5 épocas a multiplicar por 4M dá a extraordinária quantia de 20 milhões de euros. É neste berbicacho que o Sporting se está a meter. Só para que as pessoas percebam do que estamos a falar, deixo de seguida os orçamentos anuais da época 18/19 de 8 clubes da primeira Liga.


Luciano Vietto custará mais ao Sporting por época do que o total do orçamento anual de clubes como o Boavista, Setúbal, Portimonense, Santa Clara, Feirense, Tondela, Nacional ou Belenenses.

Mais! Quando Bas Dost chegou ao Sporting assinou por 3,5M/época. Aquando do seu regresso após rescisão, Sousa Cintra ofereceu-lhe 6M por época. Um montante absurdo que faz dele o jogador mais bem pago do Sporting e da Liga. Luciano Vietto será o 2º jogador mais bem pago do Sporting e um dos mais caros da Liga. Tudo isto por um avançado que nas últimas duas épocas fez 6 golos...

Mas mais relevante do que tudo isto é o facto de o Sporting libertar o Atlético de Madrid de um salário elevado por um jogador excedentário e com pouco mercado face ao seu vencimento. Sporting que faz este favor assumindo custos salariais num montante global de cerca de 20M de euros, partilhando depois o valor de uma venda futura com o Atlético. Portanto, se correr bem e o jogador for importante no Sporting ao ponto de ser cobiçado, o Atlético ainda recebe 50% da transferência. Se correr mal e o jogador for um flop (como todos os outros que vieram de Madrid) o Sporting fica com os 20M de vencimentos às costas. Negócio genial... para o Atlético.

Resumindo e concluindo


Por tudo isto, parece-me evidente que este negócio não tem ponta por onde se lhe pegue. É uma aldrabice pegada e um crime de lesa-Sporting. Concluo voltando a reiterar que nestes casos das rescisões está muito mais em causa do que apenas e só a vertente financeira. E é muito triste verificar que quem lidera o clube não pense nisso. Para fechar, e face a teorias do caos financeiro, dizer que neste momento o Sporting tem a situação financeira absolutamente controlada após o adiantamento de receitas da NOS e pelo facto de ter no seu plantel uma mina de ouro chamada Bruno Fernandes. São mais duas variáveis a juntar às anteriores que mostram que este "negócio" é uma aldrabice. 

Podem seguir o blog nas redes sociais nos links seguintes:
Facebook: (aqui)  Twitter: (aquiInstagram: (aqui)

quinta-feira, 9 de maio de 2019

A rica vida dos falidos da banca - Luís Filipe Vieira


Na edição desta semana, a revista Sábado tem um conteúdo muito interessante relativo "à rica vida dos falidos da banca". Deixo-vos de seguida a parte da reportagem relacionada com Luís Filipe Vieira. 

"O mister das renegociações"




Podem seguir o blog nas redes sociais nos links seguintes:
Facebook: (aqui)  Twitter: (aquiInstagram: (aqui)