quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

É hora de reflexão


Como tenho dito, a reflexão permanente faz parte dos processos de liderança.

Sem rodeios, esta época ao nível do futebol tem sido uma desilusão. Resta-nos lutar pelo campeonato. Atirar a toalha ao chão não é uma hipótese.

Todos temos uma opinião, e estas são mais vincadas quando a frustração toma conta de nós. É, nestes momentos, que as lideranças têm que ser firmes. Temos um projecto, um rumo certo, e não é uma época mal conseguida que nos deve permitir deitar a perder tudo o que foi construído, ainda por cima com tanto esforço e amor.

Estou triste, desolado, mas estados de alma não são compatíveis nem se podem confundir com as funções que assumi e que tenho tido a honra e o privilégio de exercer.

Não irei dar um passo atrás para apaziguar algumas "almas" sportinguistas, nem fazer o gosto a quem, fora e dentro do nosso Clube, quer sangue pelo sangue.

A política da exigência vai manter-se. Mas estes ciclos negativos surgem no futebol com uma força tal que, facilmente, tudo e todos são colocados em causa.

Irei, com o treinador Jorge Jesus, fazer o que nos compete, isto é, manter a coesão de um grupo que necessita de elevar os seus níveis de entrega e de acerto técnico-tático, mas, para isso, a sua auto-confiança e auto-estima têm de ser trabalhadas.

Eu sou o responsável máximo e, logo de seguida, o treinador. Precisamos do vosso apoio para mantermos esta equipa, a quem resta um objectivo que, estando difícil, não é impossível: o campeonato.

Ao mesmo tempo, e sem nos afastarmos do foco do campeonato por que lutamos, começaremos desde já a preparar e planear a próxima época desportiva.

Não estou a pedir que não se sintam frustrados nem que não critiquem. Essa pressão faz parte dos grandes Clubes e eu quero que ela exista. Apenas peço que, mesmo que tenhamos o nosso coração partido, não deixemos o nosso grande Amor abandonado pois nunca nos podemos esquecer que, em última instância, são e serão os jogadores os artistas dentro das 4 linhas.

O plantel sofrerá um emagrecimento neste mercado de inverno, o que vai fortalecer o grupo. Precisamos dos melhores focados, e determinar, mais uma vez, a linha da exigência extrema que existe neste Clube.

Quando fechou o último mercado, a comunicação social e os Sportinguistas eram quase unânimes ao afirmarem que se tinha construído um dos melhores planteis de sempre da História do Clube. Nunca alinhei nesse discurso pois a humildade e o trabalho é que, para mim, determinam isso. O resto são meros exercicios de opinião. Mas a verdade é que, de repente, passaram de bestiais a bestas o que me incomoda.

Ter elevadas expectativas tem que ser o apanágio deste Clube, mas não podemos oscilar tanto nas nossas apreciações. Existem reforços que não resultaram, um facto indesmentível, mas nem se deve generalizar nem passar do 80 para o 8.

Entendo bem a frustração e tristeza que todos sentimos, mas cá estamos para assumir as nossas responsabilidades e fazer as 3 coisas que são a receita para ultrapassar estes ciclos negativos: trabalhar, trabalhar e trabalhar!

Mas precisamos de continuar a contar com os mais de 3,5 milhões de Sportinguistas pois sem o vosso apoio, carinho e, claro, exigência máxima, a recuperação será muito mais difícil, senão mesmo impossível.

Termino como comecei: assumo, na totalidade, a desilusão que tem sido esta época ao nível do futebol, mas esta ainda não acabou. E, até acabar, temos que nos manter juntos!

Porque o Sporting Clube de Portugal é o nosso grande Amor!

Mensagem de Bruno de Carvalho colocada hoje de manhã no seu Facebook. (link)

Este deve ser um tempo de reflexão por parte dos nossos dirigentes, assim como de todos os adeptos. Hoje, farei também a minha análise ao momento leonino.

Agradecer a todos pelo apoio. Se ainda não seguem o Mister do Café nas redes sociais, podem começar já. 

Link do Facebook: (cliquem)
Link do Twitter: (cliquem)

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

As singularidades do jornal Abola


Nos últimos dias tem-se falado muito na passagem de testemunho que estará a ser preparada na direcção do jornal Abola. Vitor Serpa, director do jornal desde 1992 anunciou no recente congresso dos jornalistas a sua saída do jornal assumindo que "Estamos a trabalhar na transição para passar essas funções".

Link da notícia (aqui)

Ao longo destes 25 anos, Abola tornou-se no principal bastião do nacional benfiquismo. Preponderância que deixou de ter com a entrada em cena de novos canais televisivos e das redes sociais. Este é o segundo sinal de que a "coisa" está a mexer para estes lados, depois de há cerca de meio ano ter sido noticiado pelo Jornal de negócios que o jornal estava à venda.

Link da notícia (aqui)

Confesso que tive curiosidade para ver o último programa em que Vítor Serpa participou no canal televisivo do jornal, para perceber se falaria sobre o assunto. Não falou sobre isso, mas falou sobre Cristiano Ronaldo.

A "azia" que Ronaldo causa nesta gente



Gosto particularmente da forma como tentou gerir a sua "azia" com pinças. Considerar o facto de discursar em português como um aspecto positivo é absolutamente patético, uma vez que sempre foi este o comportamento de Ronaldo. Nada de novo, portanto. Mas a intenção deste elogio era clara e passava por esmiuçar tudo o que Ronaldo disse. 

"Com alguma sorte o discurso não foi suficientemente traduzido" diz o director de Abola. Acho curioso que o senhor director não saiba que a língua portuguesa é das mais faladas do mundo. Obviamente, pela importância do prémio e do próprio jogador, o discurso foi traduzido para todo o mundo. A diferença está mesmo na nível de "azia" com que o mesmo é analisado. (link do vídeo com o discurso de Ronaldo).

Sinceramente, não interpretei as palavras de Ronaldo como uma "provocação" a Messi, mas mesmo que fosse, Ronaldo tinha toda a legitimidade em fazê-lo. Até porque a não presença dos jogadores do Barcelona pode ser considerada uma forma de desrespeito pelo prémio e pelo mais que previsível vencedor: Cristiano Ronaldo. Mas sobre isso o director do jornal Abola não tece comentários. Eu pergunto: Se Messi fosse o favorito, não estaria presente na Gala? 

É que para quem não sabe o Barcelona só jogava 48 horas depois da Gala da FIFA. Nada que um jacto privado não resolvesse com toda a tranquilidade. 

O Homem do Ano


Foi com Vítor Serpa que o jornal instituiu o prémio "Homem do Ano". 

 Recordemos os vencedores e os motivos que levaram à eleição destas figuras, segundo a transcrição do próprio jornal.


2004 - José Mourinho - No ano do Europeu português, o FC Porto campeão da Europa sob o signo Mourinho.
2005 - Nuno Gomes - Quebrado, enfim, o enguiço o Benfica campeão. Com Nuno Gomes, seu símbolo.
2006 - Cristiano Ronaldo - O fenómeno já explodira, Cristiano Ronaldo era a referência do Manchester United.
2007 - Ricardo Quaresma - Porto campeão arrastado pelo encanto de Quaresma, o mago da trivela e não só.


2008 - Nélson Évora - Portugal de Ouro em Pequim, com Nélson Évora campeão olímpico do triplo-salto.
2009 - Jorge Mendes - Toque de Midas do agente. Record mundial na transferência de CR7 para Madrid.
2010 - José Mourinho - Mourinho no topo da Europa com o Inter.
2011 - Paulo Bento - Qualificou Portugal à fase final do Euro 2012


2012 - Pedro Proença - O arbitro da final do Euro 2012 e da Final da Champions.
2013 - Cristiano Ronaldo - Memorável ano em Madrid e na Seleção, sobretudo com os golos à Suécia.
2014 - Jorge Jesus - Inédito póquer na história do Benfica (Liga, Taças e Supertaça) deu o prémio a Jorge Jesus.
2015 - Fernando Santos - 7 Vitórias consecutivas na qualificação para a Fase final do Euro
2016 - Fernando Santos - Conquista do Euro 2016

Ronaldo venceu o prémio por duas ocasiões (2006 e 2013).Curiosamente, em 2006 ainda não tinha sido eleito como melhor jogador do Mundo. Entretanto ganhou o prémio de "melhor do Mundo" por 4 vezes e só por uma ocasião foi distinguido como "Homem do ano". Em 2008, ano da sua primeira conquista da Bola de Ouro, foi ultrapassado por Nelson Évora. Em 2014 foi ultrapassado por Jorge Jesus e em 2016 foi ultrapassado por Fernando Santos.

Fica claro que os critérios para a escolha do vencedor deste prémio, têm por base um elevada ponderação do grau de lampionice no sangue dos candidatos. Se os exemplos de Ronaldo são vergonhosos, o que dizer disto:

- André Villas-Boas fez uma época brilhante no FC Porto em 2011 onde venceu Liga, Taça de Portugal, Supertaça e Liga Europa. Só que o vencedor foi... Paulo Bento, que na época tinha conseguido qualificar Portugal para o Euro 2012 e nos play-offs. Lindo não é? 

- Jorge Jesus em 2015 ganhou a Supertaça, Taça da Liga e Campeonato pelo Benfica. No Verão transferiu-se para o Sporting numa das transferências mais incríveis do futebol português sendo que ganhou logo mais uma Supertaça ao serviço do Sporting. O jornal Abola ignorou estes factos e entregou o prémio a Fernando Santos por ter conseguido 7 vitórias seguidas por Portugal, onde apenas 5 foram nesse ano. 

Comparar a época brilhante de Jorge Jesus com a qualificação de Portugal para o Euro 2016 faz algum sentido? Ainda para mais na qualificação mais fácil da história dos Europeus em que se qualificaram 24 equipas.

"O maior jornal nacional"



O "ui" de José de Pina no final deste vídeo é bem elucidativo sobre o nível deste "jornal". Se hoje Abola é o "oficioso" da propaganda, esperem para ver o que acontecerá com o jornal quando um qualquer Farinha, Guerra ou Delgado estiverem no controlo do estaminé.

Agradecer a todos pelo apoio. Se ainda não seguem o Mister do Café nas redes sociais, podem começar já. 

Link do Facebook: (cliquem)
Link do Twitter: (cliquem)

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Artur Soares Dias - O Rei do apito


José Fontelas Gomes, presidente do Conselho de arbitragem decidiu nomear para um dos jogos mais importantes da época leonina um artista de está farto de ter "azares" nos últimos jogos que apitou do Sporting. Esta época, não "vislumbrou" dois golos irregulares do Vitória de Guimarães no empate a 3 golos. Na época passada não conseguiu vislumbrar uma grande penalidade a favor do Sporting no derby que permitiu a ultrapassagem do Benfica, assim como não viu a agressão de Renato Sanches a Bryan Ruiz nesse mesmo jogo. Estes foram alguns lances que não conseguiu vislumbrar.

Quando "vislumbra", anula golos ao Sporting ou então expulsa o capitão de equipa ou o Presidente do banco. E só estou a usar o histórico  dos últimos 3 jogos em que apitou o Sporting. Senão vejamos:

O Rei do apito



Depois de todas as "apitadelas" a que temos assistido, o Conselho de arbitragem decidiu enveredar pelo gozo e pela provocação ao Sporting. Obviamente, a narrativa será a do costume: "Soares Dias é o melhor árbitro nacional".  Talvez seja, o Sporting é que tem sempre "azar" com este sujeito. 

Agradecer a todos pelo apoio. Se ainda não seguem o Mister do Café nas redes sociais, podem começar já. 

Link do Facebook: (cliquem)
Link do Twitter: (cliquem)