segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

A entrada da Doyen em Espanha

Hoje foi conhecida a decisão do TAS relativamente os processo entre o Sporting e a Doyen. Infelizmente, não foi conseguida uma vitória nesta primeira fase, mas a "guerra" está apenas a começar. O Sporting já anunciou que irá recorrer para o Supremo Tribunal Suíço que tem toda a legitimidade para anular a decisão do TAS. 

Vamos por isso aguardar com serenidade e dar tempo à justiça. Enquanto esperamos podemos ir falando mais um pouco do que são os "meandros" da Doyen. Nos próximos tempos vou dedicar uma especial atenção ao fundo Maltês/Inglês/Espanhol/Itáliano/Português...

Comecemos pelo início...

Na época 2011/2012 entra em ação uma nova marca no panorama do futebol em Espanha. Primeiro nas camisolas do Sporting de Gijón, depois nas mangas das camisolas do Atlético de Madrid e finalmente nos calções do Getafe.

 "Es un fondo británico, gestionado por empresarios portugueses, que es una escisión del grupo que trabajaba con Jorge Mendes" disse Ángel Torre, Presidente do Getafe. E acrescentou "Han llegado a la Liga con la intención de invertir en la compra de derechos de jóvenes talentos. A nosotros nos han preguntado por Abdel [Barrada] y dos o tres canteranos más, pero, por el momento, nuestro compromiso con ellos se limita al patrocinio del pantalón por apenas 100.000 euros"

Ao que parece Juanma López, antigo internacional espanhol terá intermediado estes negócios. Juanma López que é bem conhecido dos Portugueses por ter sido o empresário de Roberto Jimenez (Sim, o frangueiro que passou pelo Benfica). Em 2010/2011 Roberto saiu do Zaragoza para o Atl.Madrid por 8,6M através do fundo Quality Sports Investment, ligado a Jorge Mendes. O Benfica pagou pelo seu passe 8,5M. Coisa pouca...

Mas voltemos aos patrocínios. Segundo o apurado pelo El País o negócio de patrocínio do Gijon terá chegado aos 150.000€ e o do Atlético aos "ciento y pico mil euros". A mesma notícia salienta a forte possibilidade de uma parceira com a Doyen, uma vez que tinha sido pratica comum nesse ano para as contratações de Elias (o que iria mais tarde passar pelo Sporting na era Godinho Lopes) e Radamel Falcão vindo do Porto e depois para o Mónaco.

Engraçado que numa notícia relacionada com o aparecimento da Doyen em território espanhol em 2011, apareçam 3 nomes relacionados com os grandes portugueses. Roberto, Elias e Falcão.


Por esta altura, finais de 2011 começaram-se a falar de jovens jogadores cujos passes já estariam nas "mãos" da Doyen, entre os quais Rúben Pérez. Curiosamente este jogador tem andado sempre em clubes da esfera Doyen. Atlético de Madrid, Getafe e mais tarde um empréstimo ao Torino e Granada.

Vejamos Atlético de Madrid e Getafe foram logo os primeiros clubes onde a Doyen investiu. O Granada também é um "afiliado" mais recente (Brahimi jogador da Doyen transferiu-se do Granada para o Porto). Depois há o Torino. Porra mas esses não são italianos!? 

Ora bem Torino, Atlético Madrid... Humm aquele Cerci não foi do Torino para o Atlético? 

Cerci foi transferido no último dia de mercado do Verão de 2014 e custou ao Atlético 16M + 3M em objetivos. (Valor abaixo do valor de mercado para um jogador da sua qualidade). Nesse verão, o Milan entrou em contactos com o Urbano Cairo, Presidente do Torino para a compra de Cerci. O negócio não se concretizou tendo havido mesmo uma incompatibilizarão entre o Torino e o Milan. 

Curiosamente, Cerci durou apenas 4 meses em Madrid sendo transferido em Janeiro de 2015 para o... Milan num empréstimo de 18 meses. 

Milan, que recebeu 2 jogadores do Chelsea por empréstimo no início dessa temporada. O holandes Marco van Ginkel e o espanhol Fernando Torres (ídolo do Atlético). No final do ano de 2014 Torres rescinde com o Chelsea e assina definitivamente pelo Milan. Dias depois, Fernando Torres é apresentado em Madrid vindo por empréstimo do Milan. 

Em Janeiro de 2015 ficou-se a saber que a Doyen tinha adquirido metade do passe do Cerci aquando da compra ao Torino e que o italiano foi mesmo "obrigado" a regressar a Itália. Entretanto Rúben Pérez pouco ou nada jogou no Torino mas mesmo assim "rendeu" aos cofres do Atlético de Madrid 500 mil euros pelo empréstimo.



 
Fica também o primeiro artigo que escrevi sobre a Doyen. Relação entre Doyen e Twente

2 comentários: