" Mister do Café: Fátima, Futebol e Fado

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Fátima, Futebol e Fado


Fátima, futebol e fado. Os três "efes" que serviram de pilares do Estado Novo estão mais actuais do que nunca, depois de temos assistido ao pináculo da propaganda no último sábado, com a vitória de Salvador Sobral na Eurovisão, a vitória do Benfica no campeonato e a visita do Papa Francisco a Fátima. 

Fátima


A religião e a política são temas que não gosto de abordar, mas parece-me que perante o triste espectáculo que estamos a assistir, algo tem de ser dito. O governo da república decidiu decretar tolerância de ponto no dia 12, justificando a decisão com a "importância que reveste a visita a Portugal de Sua Santidade o Papa Francisco". 

Ora, que eu saiba, Portugal ainda é um estado laico pelo que qualquer parcialidade em relação a questões religiosas é uma quebra ao principio base de um estado secular. Será que o Estado também dará tolerância de ponto aquando da visita a Portugal do líder da Igreja Universal do Reino de Deus? 

Futebol



Perante a possibilidade de o Benfica se sagrar campeão nacional, António Costa e Mário Centeno - as duas principais figuras do executivo governativo - decidiram estar presentes na tribuna de honra do Estádio da Luz para assistirem ao jogo com o Vitória de Guimarães. A presença destas altas figuras do Estado ao lado de Luís Filipe Vieira é completamente inaceitável. Estamos a falar de alguém que é um criminoso condenado por roubo. Estamos a falar de alguém que enquanto líder da instituição em causa, legitima e apoia claques ilegais que ainda recentemente assassinaram um adepto. Estamos a falar de alguém que em termos pessoais tem milhões de euros em crédito vencido junto de bancos públicos. 

O regime de excepção atribuído ao Benfica e aos seus representantes não é novidade para ninguém. Ainda estamos todos recordados do dia em que o Benfica deu acções sem qualquer valor comercial, como garantia de pagamento às finanças, por forma a não ser excluído das competições nacionais. Confesso que não sei bem se estamos perante uma república das bananas ou uma república de bananas.

Vejamos o que disse o Presidente da República no dia do clássico entre Benfica e Porto no estádio da Luz. 


Fado


E para fechar em grande a triologia, Salvador Sobral deu a Portugal a primeira vitória na Eurovisão. A RTP como principal promotor do programa decidiu dar ampla cobertura ao evento. Infelizmente para eles, calhou logo no dia em que o Benfica se sagrou campeão. Mas não há nada que não se resolva e esta foi a desculpa perfeita para fazer um cocktail explosivo. Durante os intervalos da Eurovisão a estação pública fez vários directos para acompanhar a festa encarnada. E depois, os senhores que são pagos com os nossos impostos ainda fizeram isto:


De facto, a RTP continua em festa e a quantidade de propaganda lançada pela televisão pública é cada vez maior. Já tinha falado um pouco sobre isso (aqui).

Para fechar fica a transcrição do "discurso" vergonhoso de José Carlos Malato. Uma palavra de apreço para o Salvador Sobral que tentou na medida do possível ignorar as questões sobre o Benfica. Nem a emoção própria da hora da vitória lhe fez tirar o foco do essencial. O jovem, como todos nós, sabe que o facto de o Benfica estar em festa, não é o mesmo que Portugal estar em festa. Foi ele que teve de separar as águas que Malato e a RTP quiseram unir à força.

"Portugal está em festa por várias razões. Duas razões que te dizem muito: O Benfica e tu!"

"Todos os portugueses que estão connosco, que viram esta transmissão agarrados à televisão e a festejarem o Benfica, temos de dizer!" 

Perante tudo isto, Salazar só se pode estar a rir. E por certo não poderia estar mais orgulhoso.

Agradecer a todos pelo apoio. Se ainda não seguem o Mister do Café nas redes sociais, podem começar já. 

Link do Facebook: (cliquem)
Link do Twitter: (cliquem)

12 comentários:

  1. Caro Mister,
    Sobre a tolerância de ponto, não comparemos a Igreja Universal com a Igreja Católica. Estamos perante uma religião secular e não uma seita. Se ainda o termo de comparação fosse o Islão ou o Judeismo, ainda vá. Mas eu, católico, também fui e sou contra tolerâncias de ponto com esse fim. Se o Estado é laico não tem nada que dar tolerâncias quer para o Papa, quer para o Natal, quer para a Páscoa.
    Quanto ao governo é a direcção que deve fazer algo, como apelar a que não se vote nestes trastes (como fez o vilarinho num jantar de apoio ao Durão Barroso).
    Quanto à RTP, é proibi-los (e a outros) de entrarem em Alvalade e criar um clima de intemidação para essa corja!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão da comparação com a Igreja Universal serve apenas para colocar em perspectiva aqueles que não são católicos. O Estado é laico e tem por base o princípio básico da igualdade. Não pode haver discriminação em relação à religião para nenhum cidadão.

      Ora, considerando o Governo abandonou o laicismo para dar uma tolerância com base na religião católica, terá de fazer o mesmo para todas as outras. Nem que seja para com a Cientologia. Era esse o meu ponto.

      Eliminar
  2. Em relação a Fátima só te digo o seguinte: o estado português é um estado laico de facto mas a quantidade de católicos - cerca de 90% (!!!) - representa a quase a totalidade dos portugueses - juntando a vinda do chefe da Igreja Catolica e um acontecimento histórico como o foi i centenário das aparições de Fátima faz sentido a tolerância de ponto.

    Realmente não devias mesmo comentar religião.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se somos um estado laico não pode haver tolerância de ponto com base em questões religiosas, nem que 99,99% da população fosse católica. Se querem ligar o Estado com a Igreja é alterar o estatuto para estado confessional.

      O dia é histórico para quem o considera dessa forma. Para outros um dia histórico seria a visita do chefe da Igreja Universal do Reino de Deus.

      Não discuto escolhas religiosas. O que gosto de discutir é a constituição e a lei. Um estado laico não pode disciminar/tomar partido em questões religiosas. Ponto!

      Eliminar
    2. Nem que haja apenas um Muçulmano em Portugal. No dia em que o representante máximo dessa religião, visitar o país, tem de haver tolerância de ponto, o mesmo para os Evagelistas, para os Jeovás... Ou haverá, mais um, ataque à Constituição da República e ao principio da igualdade.

      Por falar em princípio da igualdade, cerca de 90% dos portugueses serão católicos, não discuto o número que deverá andar perto da realidade, então porque apenas houve tolerância de ponto para uns quantos? Serão os FP mais católicos que os privados? E assim se deu mais um tiro na constituição e na treta de que todos os cidadãos são iguais independentemente da cor, do sexo, credo, etc...

      Falemos de desporto que é bem melhor...
      SL

      Eliminar
  3. Caro Mister, por muito que possa estar de acordo com o Post, para mim e neste momento, torna-se mais importante refletir no que aconteceu de mal esta época na nossa casa e tentar perceber o que nos espera o futuro próximo.
    Podemos e devemos criticar e denunciar tudo o que de estranho, ridículo e mau aconteceu externamente que condicionou a produção desportiva da equipa, mas, antes de continuarmos nessa "batalha" herculea, devemos fazer uma grande introspecção à forma como o projecto desportivo 2016/2107 fracassou.
    Embora seja um sócio e adepto apoiante de Bruno de Carvalho, não posso deixar de estar bastante desiludido com o apoio incondicional que o Presidente apregoa na continuidade de Jorge Jesus na orientação da equipa para a próxima época. Penso, e espero estar enganado, vai ser o fim do estado de graça de Bruno de Carvalho.
    Vejo muitos a defenderem Jorge Jesus e a dizerem que é o "maior" e "melhor" treinador a treinar em Portugal. Será? O que é que Jorge Jesus fez de transcendente até chegar a Carnide? Era um treinador completamente banal, conseguindo mesmo assim, atingir maior notoriedade do que tinha sido como jogador. Os mesmos que endeusaram Jorge Jesus nos tempos em que foi campeão, são os mesmos que defendem a cartilha e que todos os dias bajulam o Estado Lampiónico. Os mesmos que elevaram Jorge Jesus ao estatuto de "galáctico" são os mesmos que estão a fazer o mesmo a Rui Vitória, mais um treinador banal, que o maior feito que fez até chegar a Carnide foi ganhar uma Taça de Portugal a... Jorge Jesus.
    Os 2 últimos jogos foram o culminar de uma derrocada que começou com o jogo de Madrid. Após a frustrante derrota e depois das aberrantes afirmações que o treinador fez acusando os jogadores, foi o principio da destruição do "balneário". Um comandante que se preze deve ser sempre o primeiro a assumir os erros e as desilusões e ser sempre o último a reclamar os louros. O autismo de Jorge Jesus leva-o a fazer sempre o contrário, demonstrando uma pequenez típica dos medíocres, em que têm que estar sempre a auto-elogiar para se fazerem notar e não serem esquecidos.
    Há muito tempo que o ambiente no balneário é mau e isso foi uma das principais causas internas do nosso descalabro. E para provar o que digo, basta ver quantas vezes o Presidente teve de dar a cara e pedir desculpa aos adeptos, sem nunca se ouvir uma palavra da parte do treinador a reconhecer que errou. Mas quando ganhávamos era o primeiro aparecer aos saltos a dizer que tinha sido por causa dele. Simplesmente ridículo. Como é que acham que ficam jogadores, alguns deles internacionais (coisa que não me lembro que o treinador tenha sido) e com cartel lá fora depois de ouvirem isto? Fica a pergunta.
    Mas se alguém e com toda a legitimidade, não concordar com esta minha leitura, diga-me o que é que sentiu, quando o treinador depois do último jogo já começou a arranjar desculpas para a próxima época. Pois bem, depois dessas afirmações, para mim, Jorge Jesus não tem legitimidade e capacidade para continuar a treinar o grande Sporting Clube de Portugal.

    S. L.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos todos muito desiludidos com a época. A análise já a tenho vindo a fazer e nos próximos tempos tentarei dar algumas ideias para que esta época não se volte a repetir.

      Continuo a achar que JJ é um enorme treinador e que tem todas as condições para ser campeão no Sporting. Mas concordo com o que diz em relação às declarações do treinador. O discurso não é de facto o melhor. E obviamente, Bruno de Carvalho e a restante equipa directiva também tem responsabilidades nesta época.

      Há muito trabalho a fazer e as duas contratações apresentadas ontem demonstram que o planeamento da próxima época está em andamento.

      Eliminar
  4. Não é a mesma coisa dar-se tolerância de ponte a um estado laico em que 90% da população é de uma determinada religião - estado laico sim mas com membros pertencentes a uma religião.

    Eu com esta específica tolerância de ponte não concordei. Só quero dizer que podia abster-se de comentários religiosos que não são positivos nem demonstrativos de coisa nenhuma. Acabando unicamente por ser ofensivos para os católicos.

    Bom trabalho caro mister!

    SL

    ResponderEliminar
  5. Estou completamente de acordo com o Mister do Café.

    Francisco Gonçalves, Vamos partir do princípio que esse número dos 90% de católicos em Portugal é correcto. Qual é a base de suporte da Igreja Católica para esses números? Decerto o registo de baptizados. E qual a % dos baptismos que foram realizados por tomada de consciência dos próprios? Eu diria apenas 1% (baptismos realizados em maioridade (>18 anos)), todos os outros foram impostos pelos pais ou padrinhos, por tradição.

    Então mas as convicções religiosas são hereditárias ou podem ser impostas?

    Eu posso dar o meu exemplo. Não tenho qualquer tipo de convicções religiosas e fui baptizado pelos meus pais quando tinha 2 anos. Mais tarde (>18 anos) tomei a iniciativa de escrever uma carta ao pároco da paróquia onde fui baptizado e enviei cópia com conhecimento dirigida ao arcebispo da arquidiocese daquela paróquia, explicando de uma forma correcta, que as melhores intenções dos meus pais e padrinhos não correspondiam às minha convicções, e para que os registos da igreja ficassem livres de qualquer ambiguidade, pedia que anulassem o meu baptismo e passasse a constar como apóstota.
    Sabes quando me responderam? Nunca.

    Escusado será dizer que fiz cópia das cartas e se um dia me der na cabeça exponho à comunicação social para provar que a Igreja Católica não respeita a opinião das pessoas, nem se rege por leis democráticas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podem não ter dado resposta ...mas talvez tenham averbado no livro de registo de Baptismos...
      De qualquer modo (talvez não adiante a explicação porque não acredita...), Deus dá liberdade às pessoas para acreditarem ou não, para se afastarem...ou voltarem e eu que acredito em Deus (num Deus Misericordioso...)...asseguro-lhe que Ele o receberá de braças abertos, sem olhar ao passado...se um dia quiser dar outro rumo à sua relação com Ele...
      Não são assuntos para serem tratados aqui, como é óbvio e já agora, pessoalmente acho que lhe deveriam ter dado uma resposta pessoal...

      Abraço e SL

      Eliminar
  6. Começo por dizer que sou católico, e não vou dizer se sou praticante, se assim, assim...ou se mais ou menos...

    Sou conscientemente católico (com todas as consequências...) e ponto final...

    Pessoalmente tanto se me dá que tenham dado tolerância de ponto ou não...
    Aceito que uns concordem e outros não...
    Para mim, como já disse foi indiferente...

    Mas há uma coisa de que não gostei, embora reconheça que cada um é livre de fazer o que lhe apetece...

    Não gostei "da brincadeira" da montagem da foto...(compreendo o alcance...mas permita-me o autor do blog que discorde...)...

    Abraço e SL

    ResponderEliminar