" Mister do Café: Os 9 golos de Peyroteo numa só partida

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Os 9 golos de Peyroteo numa só partida


Procure-se um recorde de golos e encontra-se Fernando Peyroteo. Este faz 75 anos nesta quarta-feira, 22 de fevereiro: nove golos num só jogo.

Aconteceu naquela que é também a partida com resultado mais dilatado na história do campeonato nacional. Vitória do Sporting sobre o Leça, por 14-0.

Era no tempo em que golos ainda se escrevia à inglesa na imprensa portuguesa. «Dos 14 ‘goals’ sofridos pelo Leça, 9 pertenceram a Peyroteo», descrevia então a crónica do jogo no desportivo «Os Sports», como recordou agora a Lusa. A vitória no Campo do Lumiar, para a sexta jornada, deixou o Sporting na frente de um campeonato que seria ganho pelo Benfica. E curiosamente Peyroteo nem foi o melhor marcador dessa época, o título foi para o portista Correia Dias, com 36 golos. Peyroteu, que foi em seis épocas o melhor goleador da Liga, apontou 28 nessa época.

Aquele 14-0 no Lumiar é um resultado histórico, mas o que não tem mesmo par nos registos das primeiras divisões do futebol mundial são os nove golos de Peyroteo. Ele que aliás também marcou noutra ocasião oito num só jogo. Foi em 1948, numa vitória do Sporting sobre o Boavista por 12-1.

Em Espanha o recorde num só jogo é de sete golos, dividido por Kubala, num 9-0 do Barcelona ao Sp. Gijón em 1952, e mais de vinte anos antes Arana, numa vitória de 12-1 do At. Bilbao sobre o Barcelona. Em Inglaterra, o máximo que alguém marcou num só jogo foram seis golos. Geoff Hurst, o homem que deu o título mundial à Inglaterra em 1996, conseguiu a proeza em 1968, numa goleada do seu West Ham ao Sunderland (8-0). Tal como na Alemanha: Dieter Muller pelo Colónia num 7-2 ao Werder Bremen, em 1977. Ou ainda em Itália, também seis golos, marcada dividida por Omar Sivori num Juventus-Inter (9-1) de 1961 e por Silvio Piola, em 1933.

Olhando para outros campeonatos os números sobem. O recorde na Liga escocesa, por exemplo, é de oito golos, marcados por Jimmy McGrory, histórico goleador do Celtic, em 1928. Na Holanda, bem mais recente, Afonso Alves marcou em 2007 sete golos pelo Heerenveen frente ao Heracles, numa goleada de 9-0. É o único registo deste século, todos os outros são de outro tempo.

Claro que a baralhar estas contas de recordes de golos há sempre aqueles brutais 31-0 da Austrália à Samoa Americana na qualificação para o Mundial 2002. A vitória mais dilatada de sempre num jogo internacional, que incluiu 13 golos do avançado Archie Thompson, e ainda mais oito de outro jogador australiano, David Zdrilic.

Mas Peyroteo é muito mais que um recorde num jogo. O mais produtivo goleador de sempre do futebol português tem uma série de outros registos imbatíveis. É o melhor marcador de sempre da Liga, 330 golos para 197 jogos, média superior a 1.6 por jogo.

Como termo de comparação, um outro fenómeno como Mário Jardel tem um registo de 186 golos em outros tantos jogos, exatamente um por jogo. A média de Eusébio é semelhante, 318 golos em 313 jogos na Liga.

Os números de Peyroteo estendem-se aos totais pelo Sporting, 529 golos em 327 jogos, de acordo com o almanaque dos leões. É um clube restrito o dos jogadores que chegaram aos 500 golos por uma só equipa. Há Gerd Muller, 525 pelo Bayern Munique, o escocês McGrory, 522 pelo Celtic, ou Uwe Seeler, 507 pelo Hamburgo. E há Lionel Messi perto desse registo, para já 487 em 565 jogos oficiais pelo Barcelona. Cristiano Ronaldo já superou a marca dos 500 golos por clubes, mas a dividir por Sporting, Manchester United e Real Madrid.

Aos números pelo Sporting Peyroteo soma ainda 20 jogos e 15 golos pela seleção nacional, mas um único jogo oficial. Foi frente à Suíça, um jogo em Milão de qualificação para o Campeonato do Mundo de 1938.

Era o segundo jogo de Peyroteo com a camisola de Portugal e estreou-se a marcar, mas não chegou para evitar uma derrota por 1-2 que deixou a seleção de fora do Mundial, antes de um longo período sem competição internacional. Veio a II Guerra Mundial, o Campeonato do Mundo só voltaria em 1950.

Era também o tempo pré-competições europeias aquele em que jogou Peyroteo, o homem-golo dos Cinco Violinos do Sporting, ao longo das suas 12 temporadas de leão ao peito, de 1937/38 a 1948/49. Ao que fez faltou por isso maior impacto internacional, numa carreira que acabou cedo, aos 31 anos.

Mas os registos ímpares ficaram para sempre. Como os cinco títulos de campeão nacional ou as quatro Taças de Portugal. Ou ainda outro estatuto que mantém até hoje, o de melhor marcador de sempre do dérbi entre Benfica e Sporting. Foram ao todo 48 golos, contra 27 do senhor que se segue na lista, Eusébio. Entre eles um «póquer» numa vitória do Sporting por 4-1 em 1948 que daria o título aos leões

A memória de Peyroteo é distante, como são os 75 anos que passaram desde aqueles nove golos ao Leça. O que torna imagens como estas ainda mais preciosas.

Texto de Berta Rodrigues no MaisFutebol 


Agradecer a todos pelo apoio. Se ainda não seguem o Mister do Café nas redes sociais, podem começar já. 

Link do Facebook: (cliquem)
Link do Twitter: (cliquem)

5 comentários:

  1. Ridícula a forma como por cá se ignora o Peyroteo.
    Mas não tomem a minha palavra, vamos perguntar a gente que gosta de futebol e não tem afiliação emocional com nenhum clube português:

    https://www.dreamteamfc.com/c/cristiano-ronaldo-is-not-portugals-greatest-ever-player-this-man-is/


    "Shame on you, Portuguese Football Federation.

    Your own country might have disowned you Fernando. But we haven’t."

    ResponderEliminar
  2. Grande post sobre o nosso melhor de sempre!

    Ás vezes ate prefiro que seja ignorado, nao gostaria de ver a foto de Peyroteo , em aviões, autocarros, e prédios de Lisboa, ao belo estilo do Emplastro !

    E muito menos gostaria que o meu clube se aproveitasse da morte do nosso melhor jogador de sempre para vender mais merchandising, e lucrar uns tostoes com isso!

    São estilos!

    Peyroteo é uma realidade, e nao um facto alternativo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda menos camisolas suas dentro de caixas para aliciar árbitros observadores de árbitros e delegados aos jogos... um verdadeiro insulto à memória dum desportista.

      Eliminar
    2. Verdade Mario Silva, passei ao lado dessa, talvez por o proprio ter declarado á RTP que enquanto jogador do Beira Mar nunca marcaria golos ao carnide. O seu brio profissional como desportista tambem tinha umas amolgadelas, nao era impoluto!

      Eliminar
  3. Geoff Hurst, o homem que deu o título mundial à Inglaterra em 1996 ? Creio que foi em 1966, revejam essa data

    ResponderEliminar