" Mister do Café: Como marcar um golo às Finanças

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Como marcar um golo às Finanças



Como marcar um golo às Finanças: Como o futebol se aproveita dos paraísos fiscais


Chutar uma bola em Madrid pode abrir uma empresa nas ilhas virgens britânicas. O efeito borboleta também funciona no futebol. Sempre que 22 jogadores profissionais entram em campo, há sempre alguém em segundo plano a ganhar dinheiro. Pode ser uma figura conhecida, como Jorge Mendes, agente de sucesso de Cristiano Ronaldo, ou um cidadão do Cazaquistão que ninguém tenha ouvido falar. A incidência desses actores no futebol moderno é cada vez mais decisiva, uma vez que fazem a ligação entre o que acontece no relvado e as estranhas sociedades originárias nos maiores paraísos fiscais do mundo.

Em Espanha, a Agência Tributária leva anos a tentar resolver alguns dos problemas que estão por trás da opacidade financeira do desporto mais popular do país. A propriedade de jogadores por fundos de investimento e empresas opacas, a tributação dos direitos de imagem dos jogadores e as relações entre clubes e agentes, são os problemas com que os inspectores se debatem nas investigações mais recentes. A Agência encontrou tantas ligações a paraísos fiscais, que dá para fazer um "11 ideial" - mais banco de suplentes - só de jogadores com problemas fiscais. 

Doyen, a mão que balança a bola


A 25 de Janeiro de 2013, um notário de Madrid verificou algo estranho num contrato que foi ratificado [clique aqui para aceder ao documento]. "Eu, o Notário, alerto os presentes da insuficiência de alegado mandato legal e a necessidade de prova posterior". O notário não ficou tranquilo com as palavras do representante do fundo de investimento Doyen Sports, que, ao indicar a origem do dinheiro administrado pela empresa, só trouxe a sua palavra. O representante da Doyen assegurava que o turco Malik Ali, de 32 anos controlava mais de 25% de participação na empresa.

O contrato foi assinado entre a Doyen Sports e Sporting Gijon e não foi o primeiro. Um ano antes, o nome Doyen tinha aparecido discretamente na parte de trás da camisola de jogo, e depois apareceu em outras equipas de Liga. Dois anos mais tarde, graças a uma publicação do Footballeaks, soube-se que a relação do fundo com o Sporting de Gijon era mais profunda do que o habitual para um mero patrocinador. O clube recebeu um total de dois milhões de euros da Doyen para atender os pagamentos pendentes e a despesas correntes. Em troca, o clube assumiu uma dívida para com a empresa de investimento de 10 milhões, cinco vezes o capital levantado. O dinheiro para pagar estes 10 Milhões à Doyen deveria ser pago através das transferência do seus jogadores para outras equipas. Vender não era uma opção para o Sporting de Gijon, mas sim, uma emergência.


A relação com a Doyen teve um resultado desastroso para o clube, mas o fundo conseguiu entrar no negócio da Primeira Divisão. Hoje, a Doyen detém os direitos económicos de vários jogadores e também se dedicada à gestão dos direitos de imagem com um divisão de marketing. O seu cliente mais importante é Diego Simeone, treinador do Atlético Madrid. A Doyen recebe 20% de qualquer campanha publicitária que o técnico faça e recebe também 20% sempre que haja uma renovação contratual com alguma marca.

A Doyen surgiu em 2011 mas não inventou nada. Simplesmente limitaram-se a imitar um modelo que floresceu na América do Sul na década de noventa, com a compra de direitos de jovens jogadores na esperança de dar um dia o salto para as grandes ligas europeias e gerar comissões multimilionárias com as suas transferências. Essa é uma das modalidades de investimento mais comum destes fundos, chamados TPO (third-party propriedade), mas também se envolve no "financiamento de liquidez" aos clubes, em troca dos direitos económicos dos seus jogadores, como no caso do Sporting Gijon. O fundo fornece dinheiro a um clube para a contratação de uma estrela, mas em troca, recebe uma parte dos direitos equivalentes à contribuição que fez sobre o preço da assinatura atleta. A empresa recebe o dinheiro quando o jogador é transferido para outra equipa.

A Doyen tornou-se num especialista no financiamento de contratações. Um dos casos mais conhecidos é o caso de Radamel Falcao, o atacante colombiano que o Atlético de Madrid comprou ao Porto em 2011. A contratação custou 40 milhões de euros, mas os colchoneros só "meteram" 20 milhões. O resto foi pago pela Doyen em troca de uma percentagem dos direitos do jogador. O fundo recebeu a sua parte quando o jogador foi vendido ao Mónaco em 2013 por 45 milhões de euros, com um ganho de 5 milhões. 

No Reino Unido, as TPO são proibidas porque se considerada que têm um impacto negativo sobre o futebol, ao provocar a venda contínua de jogadores para gerar ganhos de capital e comissões; porque sai dinheiro do futebol para investir em outras actividades; e porque eles causam conflitos de interesse que ameaçam a integridade do futebol. Pode acontecer o caso de que os jogadores de duas equipas que competem na mesma liga pertencem ao mesmo fundo, por exemplo, ou que os titulares são escolhidos no interesse das empresas de investimento para alcançar uma maior rentabilidade. A FIFA deliberou a proibição dos TPO e mantém uma batalha legal para expulsar os fundos do futebol, mas têm encontrado dificuldade para limpar este desporto.

Quadro Fiscal


Aos efeitos perversos que podem ter fundos na opacidade do futebol soma-se a opacidade das estruturas empresariais. Quem está por trás da Doyen? Voltando ao que foi referido pelo notário de Madrid podemos ir mais além do cidadão turco Ali Malik. Os documentos expostos pelo Footballeaks mostram que as fontes de financiamento da empresa são a Bennington Assets Group Limited, de Malik Ali, e especialmente o cazaque Rafik Arif, empresário bem sucedido no sector extractivo do seu país. Ele fez um empréstimo de 100 milhões de euros para sete anos (e com uma taxa de juros de 4,5%) para a sociedade de Ali.

Através dos "Panama Papers", é possível traçar o quadro fiscal de Rafik Arif. Os arquivos da empresa Mossack Fonseca indicam que Arif é acionista da Marlin Negociação Assets Limited, nas Ilhas Virgens Britânicas, e Acewood Global Limited, em Malta, com o qual controla Castello Global, outra empresa localizada no paraíso fiscal das Ilhas Virgens . A rede foi registrada como Hamels, através de um escritório de advocacia em Malta. O mesmo que registou o Grupo Bennington Assets Limited, nas Ilhas Virgens.

Também nesta sociedade território ultramarino que "trava" a rede de Refik Arif, Rosetti Overseas Limited. Graças ao Footballeaks, você também pode saber que o beneficiário final desta rede é Arif, como evidenciado por um artigo escrito por um consultor fiscal e assistente de um dos contratos da Doyen.

Sevilla e Getafe são outros clubes que permitiram à Doyen conquista uma posição em Espanha. O dinheiro que as equipas pequenas conseguiram para efectuar transferências de direitos sobre um jogador, significaram uma fonte de crédito com o qual as pequenas e médias equipes não teriam sido capazes de contar, especialmente em tempos de crise.

Jorge Mendes


O caso da venda de Diego Costa para o Chelsea é um exemplo de como os lucros destes tipos de fundos se materializam. Dos 38 milhões que o clube inglês pagou, pelo menos 7,6 M estraram na Quality Sports Investments. Nos documentos divulgados pelo Footballeaks, esta empresa com sede na Irlanda, também está relacionada com a transferência de Saul e Koke. Em ambos os casos, chega a ter mais de 30% sobre os lucros destes jogadores.
A Quality Sports, segundo o registo comercial da Irlanda, é uma sociedade que simplesmente se dedica a ser detentora dos direitos de jogadores (ou uma percentagem dos mesmos). Os proprietários são Gestifute International, a empresa Jorge Mendes e a Ventures Sports Limited, uma empresa que se refere a um escritório de advocacia na Califórnia e que não há qualquer vestígio em registos públicos disponíveis gratuitamente.



Para chegar Mendes e expedição deve passar pelo o canal da mancha. Os bens obtidos através da venda de direito de jogadores foram transferidos, até 2014, para a Quality Sports Jersey GP Limited, com sede no paraíso fiscal de Jersey. A Gestifute de Jorge Mendes detém 50% desta empresa e é através desta empresa no paraíso fiscal britânico que é canalizada a liquidez para investimentos da Quality Sports, como atestam as contas anuais da empresa analisadas pelo jornal  "El Confidential".

Fuga ao Fisco


O uso de paraísos fiscais para tirar proveito dos direitos de um jogador de futebol não é uma prática nova. Para provar isso, o plantel da Real Sociedad, que foi vice-campeão da Liga em 2002-2003. Os "Panama Papers" mostram que foram criadas contas off-shore para pelo menos menos sete jogadores, entre os quais o atacante Darko Kovacevic. Uma vez montada a estrutura bancária, passaram a transferir os direitos do jogador para empresas em paraísos fiscais, primeiro para a "offshore" constituída pela Real Sociedad para o jogador e, em seguida, para a sociedade IMFC Licensing BV, registada na Holanda. O clube de San Sebastian efectuava o pagamento do salário do jogador directamente para a empresa holandesa, que, em seguida, transferia os fundos para a conta bancária aberta pelas sociedade nas ilhas virgens britânicas ou em bancos na Suíça ou Jersey.

Os direitos de imagem são os principais "financiadores" dos paraísos fiscais. As relações com os paraísos fiscais são apenas uma parte dos problemas que as autoridades fiscais atribuem à relação dos clubes com os jogadores e os seus agentes. Nesta sexta-feira, Cristobal Montoro, ministro das Finanças anunciou que os empresários devem ser pagos pelos jogadores e não pelos clubes. As Finanças acreditam que esses profissionais trabalham para os atletas e, portanto, devem ser os únicos a pagar todos os seus serviços, em vez de seus clubes.

O objetivo é evitar que "o futebol são onze contra onze, e no final ganha sempre o Jorge Mendes".


Este post foi traduzido e adaptado da versão apresentada pelo jornal espanhol "El Confidential" no passado Domingo. O artigo original pode ser lido (aqui). 

Resumindo


Em Espanha, o fisco anda em cima de tudo o que está relacionado com o futebol, com especial foco para as "negociatas" da Doyen e Jorge Mendes. Já vimos Mascherano, Messi, e outros futebolistas de renome mundial com problemas com a autoridade tributária espanhola. Na passada sexta-feira, a inspecção tributária multou Real Madrid, Barcelona e Atlético a uma coima total de 41 Milhões de Euros por tributação irregular sobre as comissões dos agentes dos jogadores. O Sevilla e Valência também foram multados em mais 11 Milhões de euros. Tudo somado são 52 Milhões de euros que entram nos cofres do Estado Espanhol. Curiosamente todos estes clubes estão envolvidos com Jorge Mendes.

Em Portugal, "no pasa nada". Para o Estado está tudo bem, não há nada a declarar nem nada a investigar. Tudo limpinho, limpinho. Nos jornais, nem uma palavra sobre estas investigações do fisco espanhol. Estamos a falar do país que viu nascer Nélio Lucas e Jorge Mendes, dois dos principais visados pela justiça espanhola. Nada! Nem uma linha...

Por que será?





Aqui ficam alguns posts recentes sobre Jorge Mendes e "sus muchachos"

Tour de France
A orgia do Poder
O "metodo" de Jorge Mendes
A "offshore" do Dragão
Branco mais branca não há
As intervenções divinas de Jorge Mendes
O silêncio ensurdecedor no caso Jorge Mendes

Agradecer a todos pelo apoio. Se ainda não seguem o Mister do Café nas redes sociais, podem começar já.

Link do Facebook: (cliquem)
Link do Twitter: (cliquem)

16 comentários:

  1. Porque será?
    porque é que havia de ser?
    Porque o BENFICA manda nesta merda toda, é o que é. hehe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes gozar, mas de facto estás é a gozar contigo próprio, pois o q é certinho certinho é q se cá houvesse investigação o teu carnide acabava a levar pela medida grande. Como isso não convém à maralha, tenta-se abafar a coisa. Mas pode ser q a mama se acabe. Ri enquanto podes, ó pateta.

      Eliminar
    2. conana é o manto protector, não fosse o mendes a controlar as vendas/contratações do carnide, onde andaria o orelhas a esta hora.

      Eliminar
  2. os 52M€ que esses clubes pagaram, vamos só imaginar quanto não ganharam todos os envolvidos.

    ResponderEliminar
  3. Porque não, num próximo post, por a nu as relações Scp/Recreatico de Cá e Lá?
    Ou não existe cá matéria que possa ser pesquisada, só lá?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho curioso que sobre o tema em assunto não haja nem uma palavra.

      Sobre o negócio com o Recreativo Caála não há nada a dizer. Esta tudo no Relatório e Contas do Sporting. Tomara o Benfica ter o compra do Samaris tão bem explicada como a do Paulista. Mas posso fazer um post sobre, sem problemas. Acaba-se com mais um mito!

      Eliminar
    2. As tuas "propostas", rudolfa, valem tanto como as 3561 opiniões do farináceo: ZERO!

      Eliminar
    3. O interessante é que em parte nenhuma do post se menciona, nem por perto, o benfica. O que é certo é que o Dias enfiou a carapuça e veio defender o dono.

      Eliminar
    4. rudolfina... e o brasa pah?! E o rubio ñu pah?! E o orlando city pah?!

      Queres que continue...?!

      Eliminar
  4. Fantástico jornalismo de investigação! a trabalhar assim o Mister não tem hipóteses de ser convidado para trabalhar na nossa imprensa desportiva - Aí é mais gelados para a testa dos tristes carnidenses! Parabéns!
    Expoleo

    ResponderEliminar
  5. Só não encontrei no artigo do El Confidencial a parte em que Nélio Lucas é um dos "principais visados pela justiça espanhola". Grande rigor no artigo, misturado com rancor leonino sem fundamento

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. http://www.record.xl.pt/internacional/paises/espanha/detalhe/processo-que-envolve-neymar-nao-preocupa-barcelona.html

      http://www.record.xl.pt/internacional/paises/espanha/barcelona/detalhe/neymar-renova-com-a-doyen.html

      Chega ou queres mais? Exemplos não faltam... No post tens uma escritura onde o próprio notário dá uma indicação clara que não confia na proveniência do dinheiro. Tens a pratica de agiotismo no caso do Gijon. Emprestam 2M e o clube fica a dever 10Milhões.

      Eliminar
  6. Fuga ao fisco? Estejam atentos a 2 nomes:
    - Neymar
    - Etoo
    Correm o risco de apanhar 2 anos de cadeia em Espanha.
    Na Alemanha um dirigente do Bayern esteve preso 2 anos.
    E cá?
    Cá permitem que um sujeito deva 600 milhões à banca porque é o presidente do po(L)vo.

    ResponderEliminar
  7. O mendilhões tem quantos jogadores na liga portuguesa? Acho que tem no Rio Ave, Benfica. Que prémio foi dado após o Rio Ave - Sporting? Passaram factura?

    ResponderEliminar
  8. Fantástico jornalismo de investigação! a trabalhar assim o Mister não tem hipóteses de ser convidado para trabalhar na nossa imprensa desportiva - Aí é mais gelados para a testa dos tristes carnidenses! Parabéns!
    Expoleo

    ResponderEliminar